sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Presenciando uma situação limite

Sempre falo  da minha situação de "alvo" da baixa mentalidade,nesta cidade perdida na periferia,não lembro se comentei como está piorando,não pra mim,mas pros meus vizinhos,que são obcecados por mim e não fazem mais nada da vida.Resolvi escrever pra minha  psiquiatra,relatar o caso e repito aqui quase tudo que acontece - só vendo/ouvindo pra crer:


"......Estou bem,acho que além da medicação,minha vida,apesar das restrições me ajuda.Mas o fato de morar só,ser independente e me bancar está desencadeando comportamentos estranhos nos outros.Explico:desde que voltei pra Ferraz as pessoas estranham o fato de morar sozinha,e mostram o choque me apontando na rua,me xingando,etc.a maioria deles é "pobre" de espírito,econômica e socialmente.Não é uma situação boa,mas fico na minha.
Acontece que vizinhos,da casa ao lado do predinho onde moro,passaram a exagerar na coisa,e ficaram muito mais afetados do que seria de imaginar.Há muito funciono como "TV" - ficam de onde moram "narrando" entre si o que faço(olha ela está...),sim,milhões de vezes e me xingando.
Em uma tarde,em dezembro,estava morta de cansada,tinha acabado  de chegar do trabalho e me debrucei na área de serviço que é aberta e respondi às ofensas - usando meu vocábulário articulado.Não saiu ninguém pra revidar,xingam de longe,não tem coragem de enfrentar.Desde aquele dia,repetem a mesma frase sem parar -dois deles,um adolescente que primeiro foi incentivado pela mãe a me ofender mudou até o tom de voz.Não sei se é só o machismo sem poder de ataque,mas parece que "quebrou a mola" deles - como brinquedos de corda que tem as ações interrompidas,repetidas - não sei explicar melhor.Foi direto,natal e ano novo inclusive - além de terem enlouquecido(ou serem atores fantásticos),enlouquecerão a vizinhança.Eu,tenho meus livros,meu tricô,a internet,as músicas,os filmes e sei lá mais quantas coisas pra me divertir - aqui dentro,sim,sair continua difícil
Como estão absolutamente descontrolados e esta situação esta piorando pensei em avisar a polícia:ninguém apareceu.Mas estou com dó e não sei o que fazer.Os outros vizinhos da redondeza não tem paz e tem que trabalhar,quem está de férias e passando até bem por tudo sou eu(tenho dormido com o remédio,mesmo com dor de cabeça).E a única profissional com quem tenho contato é a dra.Então,preferi relatar o que tem acontecido  para tentar fazer algo além de ficar assustada com o nível de baixa humanidade que existe à volta.Se a própria família não percebe o nível de doidera deles mesmoso que fazer?Tem algum "recolhe" doido ou coisa parecida?Brinco,mas é desesperador,
Obrigada,
Eliana
 
PS:
..........na rua transversal tem uma oficina,de onde usam sus máquinas para aumentar a potência da barulheira."



video

Tentei fazer um vídeo com minha câmera de fotos,mas lógico,se calaram(doidos,mas não burros) -  dá pra ter uma idéia do lugar e da situação.


Muito diferente de outras coisas  onde minha falta de pavio me faz explodir, estou calma.Quem "passou dos limites" foram eles.Sigo em frente.Fácil não é,mas quem diz que a vida é pra "facilidades"?

Nenhum comentário:

Postar um comentário