domingo, 10 de julho de 2016

Tricô:Mantas do desafio da página Malhas e Cia.

E o desfio terminou!Eu só mostrei o primeiro quadrado mas acompanhei as postagens no Facebook(não postei um a um por motivo de preguiça aguda,é tô assim ) e agora vou mostrar algumas das mantas participantes(tem mais no link:
 https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1126767290712874&id=153593938030219 ).

Algumas tem mais colorido,outras são mais sóbrias,algumas tem todos os quadrados do concurso,outras repetem mais os motivos e sim,algumas mostram problemas na emenda(não sou só eu que tem problemas para montagem,yes!,rsssss).

A vencedora é um luxo de combinação de cores(poucas),ótima tecelagem e montagem impecável!É a que tem um ursinho junto na foto.



 








































Servem de inspiração.Agora só falta terminar a que comecei no início do ano e ainda tem só 9 quadrados e lã acabando ou seja,não vai ficar de cor uniforme como queria,vou ter que improvisar para fazer os 3 restantes e acho que vai ficar sem acabamento!!!!!Minha colaboração com as Tricoteiras Solidárias,este ano,está  uó!

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Não ficção:as novas histórias do Brasil

     Depois de desatrasar alguns dos  meus franceses(ainda estou "economizando",intercalando com outras coisas,pra não gastá-los todos - tá caro manter o hobby) procurei alguma leitura que fosse diferente do comum, mas que não pesasse - sem cabeça pra nhém-nhém-nhém -nem tivesse "teoria demais" e resolvi olhar para as outras estantes e tirar alguns volumes do esquecimento,daqueles que "humanizaram" a História,saindo do viés "vultos históricos"/"datas comemorativas" ou algum dos "ismos" que marcam os historiadores ,e os livros da Mary del Priori se encaixam bem nesta linha(os do Eduardo Bueno e do Jorge Caldeira também,nem tão recentes assim  não tenho mais os volumes,já foram embora no expurgo da última mudança)
A autora é uma "fábrica" de publicações - quem foi aluno universitário sabe o quanto alguns  dos professores nos fazem de mão de obra barata para pesquisa- e especializada na história "pátria" tem muitos títulos gostosos de ler sem ficar cheios de referências teóricas - apresentam boas bibliografias no final mas sem notas e outro artifícios teóricos.São mais "acadêmicos" que os 1808/1822/1889 (Laurentino Gomes) e não chegam à popularidade destes.Dela além dos que mostro hoje já li O Mal sobre a Terra( o terremoto em Lisboa em meados do séc XVIII) e tenho no kindle um sobre as mulheres no Brasil que ainda não "abri".Mas voltando ao assunto,de "historiografia" sobre a família imperial já li dois sobre a Leopoldina e seu traste de marido o Pedro I e   As Barbas do Imperador sobre o Pedro II e são teóricos,mais que qualquer coisa,livros de teses como costumo chamá-los,citando muito as fontes e referenciando-se nelas continuamente.
 O Castelo de Papel e O Príncipe Maldito mostram os "bastidores" da família imperial no pano de fundo do fim do II Reinado e da Proclamação da República,mostrando as pessoas atrás dos "vultos",as vicissitudes e mesquinharias da vida em família e os desdobramentos de seus problemas nos seus papéis sociais.Uma princesa herdeira que não conseguia ter filhos e deixou a sucessão conturbada por algum tempo(foi engravidar depois de onze anos de casada,daí teve 4);sua irmã ao contrário,prolífica(quatro filhos dos 17 aos 23 anos quando morreu;sendo que seu primogênito como "primeiro neto",sonhou em ser o "herdeiro" );dois maridos "estrangeiros" e hostilizados e um imperador envelhecido prematuramente e com "manias" que atrapalhavam tanto a família quanto a política. Tudo gente -como-a-gente?Só que não!



Isabel,o conde d"Eu e os filhos sobreviventes

Pedro Augusto,o que se "perdeu" em meio à história

Os dois livros se completam,eu já tinha lido o Príncipe e o reli agora ,depois do Castelo e fiquei com vontade de saber mais,daí foi Wikipédia mesmo para saber dos "primos",dos personagens "secundários" ao enredo original.Sim,enredo,pois são "umas Histórias" não "A" história.
                                                     Família quase toda reunida




Vou encomendar o da Barral(também da Mary del Priori) - dama da corte e amor do Pedro II e enquanto isso já estou com o Minha vida de Menina quase pelo meio;um diário de uma menina/mocinha básica do final do séc XIX.É,pra quem não gosta do período até que estou me divertindo bastante com ele.




quarta-feira, 25 de maio de 2016

Update





Ufa!Maratona!
Quase 6 mil páginas depois......acho que faltam menos de 300 para chegar hum,ao..."final"?!?
É,há divergências,os livros são diferentes da série da HBO - desta eu só vi o 1ºepisódio  da 1ª temporada que o NetNow disponibilizou,só pra ver se tinha a ver com o que tinha lido e não quis ver a 6ª temporada que parece que também disponibilizaram pra não me confundir.
Sim,é uma leitura "épica"(por vezes chata mesmo),haja memória e haja braço para aguentar o peso de cada livro e muito Netflix e NetNow no meio para descansar da saga.É,continua interessante,mas cansa e saber que não tem um "final fechado",hum,não anima muito,fora as mortes e crueldades constantes,pesa e dos-personagens-que-eu-gosto-só-um-pouco-de-cada-vez-em-meio-a-mil-outras-coisas-nada-a-ver!!!!!!!
No site Game of Thrones Brasil estão aparecendo os capítulos de um sexto livro que o George RR Martin vai soltar ano que vem?!?!
E a série já está no meio da sexta temporada ou seja,ainda falta muito pra realmente "terminar" e se os livros e a série são diferentes fica confuso,né?Mas valeu a experiência até agora,exercitou os meus neurônios de memória e me mostrou o porquê gosto tanto dos meus franceses!Tô com saudades e com uns livros(finalmente chegaram) na espera.Falta pouco,cheguei até aqui,vou até o final!


UPDATE NO UPDATE 26-05
Terminei e sim,final aberto me desagradou muito.Como um cara escreve o tanto que escreveu e ainda assim não dá um "final" pras histórias?????Arghhhhhhh!


PS:sim o friozinho chegou e eu não estou tricotando.Pura falta de vontade.Tô precisando comer ânimo e /ou tirá-lo de algum lugar,tá difícil o negócio.


segunda-feira, 25 de abril de 2016

Para voltar a ler


(imagem da internet)




               Para sair da "dependência" que tenho dos polars historiques,meus franceses do coração,aproveitei a demora da última encomenda(que era pra ter chegado aqui em março e até agora nada)para desencostar esta caixinha que estava à espera,na estante.
Sim,me rendi ao Game of Thrones!
Comecei meio assim,não tinha expectativa e aos poucos a história foi me prendendo.Muitos lugares e personagens(digamos que é a parte chata,muitos,muitos,nomes de gente e de lugares que ainda não se "conhece" e muitos que já não existem mais na época em que o enredo é contado,mas são citados para localizar as intrigas/acontecimentos), tudo é interligado pela conquista dos tronos dos reinos que formam este universo à parte.É um outro mundo,outra geografia,outras religiões.....mas a busca pelo poder,as falcatruas e etc são velhas conhecidas da humanidade(seja ela qual for).Não,até agora não senti semelhanças com o Senhor dos Anéis - onde o bem contra o mal era o fundo maior da coisa toda.
Várias dinastias,suas alianças,quebras de lealdade,conflitos e os dramas individuais dentro de cada família.Acho que é aí que o George RR Martin pega a gente,porque a luta pelo poder pode até ser o fundo das ações,mas o que acontece pessoalmente com cada personagem é que "gruda"  a gente na sequência.Cada livro tem mais de mil páginas então ,se não gostasse,seria uma decepção, enorme em todos os sentidos,
Ainda estou no segundo volume e tem mais três até chegar ao fim(na série de TV começou uma sexta temporada mas não sei se tem o sexto livro também,comprei os meus faz tempo) e torcendo por alguns dos personagens e gostando que nenhum é plano,unidimensional.Reagem às circunstâncias e vão progredindo - isso os que sobrevivem porque vão acontecendo mortes(sentenças,doenças,ferimentos,etc)  complicando para os personagens que ficam.
E sim,para quem como eu gosta de Idade Média,tem tudo a ver.
E aí,alguém já leu?Até o fim a gente fica assim como estou agora,presa nas histórias?

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Sobre a limitação na intenet:O FIM DA INTERNET? #InternetJusta - Karen Bachini

O assunto é sério e eu ainda não tinha me ligado nele e como sou viciada em internet,assustei.Se este projeto das operadoras passar ,com esses valores altísimos,socorrro!
















sexta-feira, 8 de abril de 2016

Desafio em quadrados de tricô da página Malhas e Cia. do Facebook

Eu sou a louca dos quadrados de tricô,são minha "especialidade" e achei este desafio super legal.É so não esquecer que a página é portuguesa,não ficou claro se o prêmio vai além-mar ou se é só para a terrinha mesmo.
Pena que minhas agulhas estão devagar-quase-parando,senão ia testá-los todos,mas já na primeira receita(losangos ajurados) vi que conhecia o ponto então vou acompanhar só para ver se aprendo algum motivo novo.
Mas deixo  a publicação e o link para quem se interessar

"     Malhas & Cia.
11 hHoje vamos começar o nosso desafio! 
Ao longo das próximas 12 semanas vamos dar aqui a receita de 12 quadrados em pontos de tricot diferentes.
Todas as 6ª feiras é vos dado a receita para fazerem um quadrado.
Depois de 12 6ª feiras o trabalho é cozer os quadrados assim formando uma manta, tirar uma fotografia e enviá-la para a nossa página. As fotos serão todas analizadas pelo nosso juri especialista de 8 pessoas que são altamente e totalmente viciadas em tricot. O vencedor que será anunciado no dia 1 de Julho e receberá um prémio de 20 novelos (1 Kg) de lã.
Podem usar o fio e as cores que quiserem. Podem fazer os quadrados do tamanho que quiserem. Podem também fazer o número de quadrados que quiserem. Nós aqui vamos dar instruções para um fio trabalhado com agulha 5 mm, no nosso caso estamos a usar o fio 100% Merino da BMG.
Aceitam o desafio?"


https://www.facebook.com/Malhas-Cia-153593938030219/?fref=nf

sábado, 2 de abril de 2016

Quando o destralhar parece eterno:pra que tanta coisa?





Neste ano eu estou super controlada com as compras,sério,penso mil vezes se preciso ou se algum similar acabou(ou está pra acabar)antes de comprar qualquer coisa e,tirando  alguns deslizes(descontos,ofertas,brindes ,etc),tenho resistido às tentações consumistas.
O lema é usar tudo e se perceber que algo  não tem utilidade ou se não está mais adequado,separar para doar.
Roupas,sapatos,cosméticos e afins eu tenho que dá pra uma vida e mesmo "controlando os estoques"(escrevi o prazo de validade em  todos os produtos para não perder nenhum antes do tempo útil  coloquei o  máximo possível  em uso pra ver que não há necessidade de mais ) ainda acho que tem coisa demais.Sim,já escrevei sobre isto mas como a coisa incomoda,quero por pra fora novamente.Xi,até isso está "demais" - o "destralhamento" vai além do lado material da coisa.
Ano passado meu irmão levou para um bazar de igreja  uma tonelada de coisas que eu havia expurgado e pasmem,ainda consegui separar três sacos grandes para uma caixa de doação que apareceu aqui no prédio em fevereiro.
Espaço de tempo muito curto para tanto expurgo e se disser que não mexi nem na metade,as roupas de frio estão para ser triadas e sei que vai sobrar muita coisa que não uso e não cabe mais,eu me assusto.Mesmo "controlando",comprando bem menos e não comprando (no caso dos cosméticos, sapatos e estoque de fios pro tricô) como dar utilidade pra  tudo?E aquelas coisas que perdem o atrativo e não se quer mais,assim,simplesmente?
Meu estilo de vida é básico,simples mesmo,mas acho que não "mudei o canal" quanto a isso.Porque não saio mais todos os dias como era obrigada enquanto trabalhava e atualmente blusinha,bermuda e chinelo são o uniforme diário;pra sair um jeans , outras blusinhas,uma sapatilha e fim de papo.Make só de vez em quando e não,não me produzo pra ficar em casa.Os cuidados elementares são o bastante.
Então não preciso de muito e tenho que equacionar melhor o que tenho e os usos,Assim,simples.Só que não.
E não sou só eu que tenho encucação com os excessos.
Só este ano já li umas reflexões bem legais sobre o assunto :uma no Minha Querida necessaire 
http://minhaqueridanecessaire.com/meu-amor-por-maquiagem-e-o-consumismo/  ;e outra,nos Pensamento Insanos da Cinthya Rachel:  http://cinthyarachel.com/2016/03/06/sobre-consumir/, 
onde ela termina assim :
"Consumir não é pecado, acho que a questão é o que está por trás dessa constante necessidade de possuir algo, mas isso é assunto pra um outro dia."

Que bicho do querer é este que aparentemente sob controle ainda ataca?


PS: e no quesito menos é mais eu descobri uma página ótima Um ano sem lixo

http://www.umanosemlixo.com/


Mas é um mundo à parte,natureba e com mudanças drásticas no estilo de vida(compras a granel;instalação de composteira orgânica e por aí vai).Ma para colocar em comparação,sim,ainda há muito o que se fazer no quesito consumo e estilo de vida.




sábado, 19 de março de 2016

Talvez eu esteja perdendo um momento histórico...


...mas  não consigo mais acompanhar o que acontece no país.
Desde mais ou menos a época do carnaval eu "desliguei" dos noticiários e da "programação normal".Jornal eu leio esporadicamente,já deu tudo o que tinha que dar e como em tudo ,tem propaganda demais e conteúdo de menos.E pra dizer que ainda me importo,leio alguns colunistas pela internet,mas também não tenho mais confiança.Os interesses são vários e o comprometimento dos que "fazem a opinião",também.
Tudo por causa desta guerra entre os sujos e os mal lavados ,é tanta sujeira que ninguém parece defender uma causa a não ser a própria.Salvar o pescoço e estar no poder é o que interessa,dane-se o país.E continuamos nós a nos virar,cumprir com as obrigações,pagar(quem pode) o que se necessita e coitados os que dependem do serviço público em geral,um abandono quase total.
E o aparelhamento das "manifestações" é tão nojento que desacredita ainda mais qualquer "movimento popular".Classe médinha apertada no "status" também já deu!Quem passa fome é que devia fazer panelaço;"buzinaço" com tanto carro entupindo as ruas é irritante.
Mas concordo com a insatisfação!E eu ainda tenho a sorte de ter restituição do imposto de renda(descontam na fonte ),calculo a raiva de quem tem que pagar,além de todas as outras coisas.
Muito barulho,mas não se vê resultado a não ser o acirramento dos ódios de classe.
Não se repensa nada e tá aí de novo o "consumismo" como bandeira para uma "vida melhor" propagado como se fosse a salvação de tudo.
Tanta mesquinharia,tanta pobreza mental,assustam.
Até quando vai isso?
Estou cansada ,cheia mesmo.Continuo,como uma grande parte das pessoas a ir levando,mas está cada vez mais difícil acreditar ou participar do que quer que seja,perdi qualquer entusiasmo  nas possíveis mudanças,acho que se trocará o 6 por meia dúzia e ficamos nós na mão,como há muito tempo estamos.