segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Braudel e Dickens para afastar a ressaca literária


Pra mudar completamente os assuntos e engrenar novas leituras escolhi estes dois:uma ficção conhecida numa edição recente,quero ver se a tradução é legal(a edição em si é simplinha,papel quase jornal) e um dos meus históricos esquecido pela estante,tá todo amarelado o coitado,e deste,eu espero algo que não esteja muito datado(Braudel é muito século XX, quero ver se ainda dá pra ser lido).

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Frédéric Lenormand,mais um Voltaire mêne l'enquête



Terminei o Tituba e não achei lá essas coisas,como temia.Foi bom,mas mais do mesmo e em pior forma,o Caminho de casa o superou e muito ,o Underground Railroad e o Kindred também,agora é dar um tempo das literaturas sérias.Não resisti e peguei mais um e-book do Lenormand,mais um do Voltaire.Leitura leve,promete diversão,veremos.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Le chat qui en savait trop,Frédéric Lenormand


Uma bobagem engraçadinha pra rir um pouco.Sim,li em duas sentadas enquanto que o Tituba se arrasta e ...bem,um dia termina.

sábado, 8 de fevereiro de 2020

Eu,Tituba,bruxa de Salém,Maryse Condé


Continuando as leituras sobre escravidão, feminismo e interseccionalidade ,racismo estrutural e quetais hoje vou começar este livro,que foi publicado recentemente e já deu um hype pela internet literária. Mas ,depois dele,vou dar um tempo pra que não fique "mais do mesmo" e eu perca a motivação sobre os temas.Explico:lendo o Crime do cais do Valongo muito passou e não me tocou,já tinha visto melhor nas leituras anteriores,aliás,se for fazer um ranking tem o Underground Railroad, o Kindred e o Caminho de Casa em primeiros lugares,o Encarceramento em massa melhor como não ficção junto com o Memórias da Plantação. 
Já está na hora de virar o dial.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

O crime do cais do Valongo, Eliana Alves Cruz


Terminadas as Hqs,agora um romance histórico nacional,cuja escritora é minha xará.Este Valongo do título foi um mercado de escravos no centro da cidade do Rio de Janeiro e creio que o enredo envolva escravizados na sociedade da época.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Angola Janga e Cumbe,Marcelo d'Salete


Primeiras Hqs do ano,acompanhando a vibe das outras leituras.Estes dois trabalhos foram premiados e já estão por aqui há tempos,bora ler.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

Kindred, Octavia Butler

Este mês,sem nenhum planejamento, acabou que li muitos autores negros,sobre racismo,escravidão e lembrei deste livro que consegui em troca no Skoob e que se encaixa perfeitamente  no "tema".É uma ficção científica que coloca uma mulher dos meados do século XX de volta ao tempo da escravidão nos Estados Unidos. Na época do lançamentoi foi muito elogiado,tomara que goste como do Underground Railroad  -  O Homem Invisível meio que me decepcionou, apesar de algumas partes terem  me "acionado",deixou a desejar(a leitora que eu era aos 20 e poucos anos gostou muito,eu agora,não).
Depois vou procurar as ficções que tenho sobre escravidão aqui no Brasil.Tenho um livro da Eliana Alves Cruz e os do Marcelo de Salete me esperando,fora o Defeito de cor que é um calhamação
- todos muito bem falados pela internet literária a fora.

terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Intermediate English Comprehension


Este ano estou procurando  ler um livro por vez,pra não me atropelar nem sobrecarregar os dois neurônios.Mas ,apesar de ainda não ter terminado o Homem Invisível (confesso que está arrastado,parece que não anda,mas quero chegar ao fim pra entender porque guardei este livro por mais de vinte anos),comecei este e-book pra não deixar meu pouco inglês abandonado(não continuarei o curso em escola).São quinze pequenos textos sobre assuntos variados,o primeiro foi fácil,sem problemas,o Kindle tem dicionário e o e-book, glossário, tudo facilita.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Encarceramento em massa e O que é lugar de fala?


Ainda sobre racismo,já li o Encarceramento em massa  e apesar de,no geral,aceitar as argumentações ainda não tenho elementos para analisar mais profundamente.É assustador perceber uma sistematização contra uma parte imensa da população .Agora,em seguida,vou pegar este Lugar de fala- que é da mesma autora do Pequeno Manual Antirracista e coordenadora desta série de livros,"Femininos Plurais",que procura situar o movimentos feminista negro em diversas questões  atuais(eternas?).Desde o livro da Grada Kilomba vendo temas como interseccionalidade(pontos de encontros entre as diversas questões do movimento negro).
Por quê estou tão interessada?São questões cotidianas que muitas vezes tratamos superficialmente por não sofremos diretamente.Por exemplo,na minha família, de cinco filhos,eu sou a mais clara e mesmo assim já escutei piadas sobre o "cabelo ruim", imagina eles que tem a pele mais escura.Isto num nível  micro,se multiplicar realmente pela população, é um caso seríssimo. Polêmico e difícil, urgente.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Pequeno Manual Antirracista,Djamila Ribeiro


Terminado o Memórias da Plantação (e entendendo que muitas das nossas atitudes com pessoas negras  por mais "naturais" que pareçam,carregam um racismo enraizado e que precisa acabar),resolvi passar este Manual Antirracista na frente e ver como mudar de atitudes,ampliar a mente sobre o racismo cotidiano pode e deve acontecer.Estamos iniciando a segunda década do terceiro milênio!