quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Tirando as manualidades,todo o resto é difícil!

Quando depende só de mim,do que posso e/ou do que tento,beleza!


Minhas "folhas" viraram mais uma gola-um pouquinho de fio et  voilá!


Mas todo o resto,arghhhhh!Consegui encontrar um apartamento que apesar do condomínio caro,ficou com preço final pagável.Dei o sinal,assinamos a tal promessa de venda e....ainda falta toda a documentação para dar entrada no financiamento.A proprietária depositou o cheque dela.O dono da imobiliária(em Pinheiros)....quer vir aqui em Ferraz sacar para não ter que pagar imposto de renda.Inacreditável!Pelo menos pra mim que,assalariada,fiz os cheques como pediu,sem cruzar - o dele e o do filho que foi o corretor que conseguiu o ap o mais próximo do que queria(em tamanho,localização,estado e preço) .Abrir mão da poupança foi mais fácil que fazer o homem abrir mão de um tiquinho de "lucro"!Tudo vai demorar mais,tem a porcaria do carnaval e só os deuses saberão quando conseguirei sair deste lugar que está invivível,insuportável,Os vizinhos doidos continuam,o barulho é dia e noite e terei que suportar mais do que queria,previa ou que posso.


Janeiro e fevereiro são os dois meses de depósito que tinha deixado na imobiliária daqui - mas com eles não tem problema,se precisar mais é só...pagar.Que é o que faço sempre:quero/preciso,vou lá e pá-pum.
Mas,ficar nas mãos dos outros....imerecível!!!E no BB terça,agência "pifada",ninguém sabia porque.Não a rede do banco,problemas técnicos lá,que continuam,nem os telefones da agência estão disponíveis,só sinal de ocupado.E minhas férias terminam hoje.Descanso?Pouquíssimo.Além da procura do apartamento,as goteiras que só pararam da semana passada pra cá e o barulhobarulhobarulho.Não bastasse,acabou liberdade de horário e daqui em diante,agilizar as coisas como?!?
Mas só de pensar na qualidade de vida que vou ganhar(bairro residencial com tudo perto,até ir trabalhar a pé),ô esperança que sempre é a última que morre!Atravessar este período de espera será mais uma prova de fogo e a  alternativa é....ser forte!



PS:

 Adoro mexer com papel - para este cartão usei  um retalho de papel para scrap e adesivos.Uma delícia de fazer e a presenteada gostou o que foi mais importante.E como não tinha fotografado(só do tricô eu registro as novidades),copiei o que postou no Face.

        E este keep calm veio também a calhar!



terça-feira, 22 de janeiro de 2013

E tricô,sempre:o meu e o de um projeto

Porque me acalma,me ajuda com a ansiedade transtornadíssima(a proprietária do apartamento que quero ainda não assinou nada,entendem?) e mostra que sempre conseguimos,tem que tentar,sempre!


      "Folhas",minhas segundas - como as primeiras peguei lá no Abelhinha Criativa da Marta Medeiros do Rio de Janeiro.No original,ela as fez sós e foi acrescentando os motivos até virar mais um daqueles xales incríveis,e num azul belíssimo.Não peguei a receita do xale e nem seu nome ,escrevi o como fazer o motivo da folha e estava na papelada,esperando a vontade aparecer e veio agora.De "diferente",os SSK(deliza,desliza,tricota),para fazer os pontos juntos trançados e o mate duplo "central",pra diminuição ficar retinha.Pra quem não conseguia sequer entender,agora executo!!!Meu EGO, fica assim,enorme ,rssss.





 Usei fio Inspiração e ag 4,5 - no original eram três fios juntos de linha e ficava bem mais delicado,mas se não fizer "grande",não consigo(perdoem as fotos e ignorem os erros,por favor).São 26 carreiras e bem mais simples que as "folhas"anteriores.Só estou "tirando o ponto",ainda não tem "finalidade".





E o projeto quem divulgou foi o Leonardo Ruivo do Achei o Ponto(artista das agulhas;nível AAA - tudo que ele faz é incrível),reproduzo o artigo do Portal IG:



Estilista dribla falta de mão de obra com tricô feito por presos mineiros
Raquell Guimarães, da Doisélles, exporta 70% da produção de detentos de Juiz de Fora (MG) para países como Estados Unidos, Japão e França
Klinger Portella - iG São Paulo | 21/01/2013 05:32:39


O que cerca de 20 detentos fariam, reunidos, com tesouras e agulhas nas mãos? Se você pensou em rebelião, errou. Na penitenciária mineira Ariosvaldo Campos Pires, em Juiz de Fora, o grupo se reúne diariamente para fazer tricô e crochê. E a produção, que chega a 5 mil peças por coleção, tem como destino principal o mercado externo.
O trabalho começou em 2009, em uma parceria da empresa Doisélles, da estilista Raquell Guimarães, com a Secretaria de Defesa Social do Estado de Minas Gerais, chamado Projeto Flor de Lótus. Com a demanda crescente pelos produtos da marca no exterior, a empresária precisou intensificar a produção, mas esbarrou no problema da falta de mão de obra. “Só tinha encontrado senhoras sem um comprometimento comercial com o ofício”, diz. A proposta de contar com o trabalho dos detentos foi a que mais emocionou Raquell. “Eles tem tempo, disposição e um desejo enorme de se envolverem com o projeto.”
Atualmente, a linha de produção da Doisélles na penitenciária conta com 20 homens. Todos de agulha e linha nas mãos. E já há um processo seletivo para 15 novas vagas, já que alguns dos trabalhadores atuais ou estão de saída do presídio ou serão transferidos.
O detento que é aprovado para o projeto tem uma remuneração proporcional à sua produtividade. “O trabalho do preso é regido pela Lei de Execução Penal. Ele recebe três quartos de um salário mínimo e tem uma redução de pena de um dia para cada três dias trabalhados”, diz Helil Bruzadelli, superintendente de Atendimento ao Preso da Secretaria de Defesa Social.

Raquell: "sustentabilidade de recursos humanos"
O salário dos detentos varia de acordo com a produção e as horas trabalhadas. O pagamento é feito via Estado ao término de cada mês, podendo ser sacado diretamente em um caixa eletrônico do presídio. “25% do valor recebido vai para o pecúlio, que eles recebem corrigido quando saírem, e o restante vai para a mão deles”, completa Raquell.
A produção das peças de tricô e crochê tem como principal destino o mercado externo, que responde por 70% do total produzido. A marca tem showroom em países como Japão, França e Estados Unidos. No mercado interno, as peças são distribuídas a aproximadamente 70 representantes em todo país.
No ano passado, as peças produzidas pelos detentos de Juiz de Fora serviram de decoração para as festas de Réveillon do Hotel Copacabana Pallace, no Rio de Janeiro. Foram 1.600 suportes de velas, feitos de vidro e revestidos de crochê.
Raquell estima que, ao menos, 100 presos já passaram pelos trabalhos artesanais na penitenciária mineira. Um deles, CélioTavares, que cumpre pena em regime semiaberto, hoje, divide as aulas em uma universidade com a coordenação do departamento financeiro da Doisélles. “E ele foi preso por roubo”, conta a empresária.
“Hoje, fala-se muito em sustentabilidade para recursos naturais. O nosso, é uma sustentabilidade de recursos humanos. São pessoas que não teriam oportunidade em lugar nenhum, mas agora tem uma reciclagem completa de vida”, completa Raquell. “Provamos que dando armas a eles, como agulhas e tesouras, eles podem fazer tricô.”



       Resgatar as pessoas,o que podemos fazer,colocar beleza no dia a dia.Pergunta se depois de alguém se "artistar" segurando as agulhas tem como largar?

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Férias procurando apartamento....


                                                                            (imagem da rede,não marquei a fonte)



......vi mil anúncios(viva a internet,viva o Imovelweb-isto não é propaganda),troquei  e-mails e falei com mil corretores.Aqui tinha visto só porcaria;em outro município,uns apartamentinhos que nem se me expremesse,caberia.
 Sou "espaçosa",tenho gostos,tenho coisas que acompanham estes gostos.Quero urbanidade,serviços,CIDADE então........voltar para São Paulo,voltar a poder ser gente,falar com pessoas,ter acesso a tudo e....... andaandaanda,entra em casa dos outros,analisa espaço,analisa o "estado" do lugar e do entorno,analisa localização,condições de venda/aluguel,o que tem,o que falta.Entre em lugares vazios e já sufoca ou com a estreiteza,a falta de janelas ou um chuveiro que para ser alcançado haveria que passar sobre a privada!!!!!!.Achei que se falasse com mais algum corretor,explodiria!
Entrar em mais um:
-"espaço bem dividido" = minúsculo,
-"moderno" = mal gosto de matar na decoração/divisão,
-"em obras" = destruído,
-"reformado" = velho e/ou em local ruim,
-"novinho" = cubículo e por aí,enlouqueceria.
Até que finalmente,luz no fim do túnel!!!!
Um com piso de taco(amo de paixão),armários bem localizados(não aquela montoeira que sobe pelas paredes,atravanca tudo e ...ocupa mais espaço do que se não estivesse ali) ,cômodos separados,como eram antes,cada um pra uma coisa,nada "otimizado",paredes sólidas .Cozinha pequena(traumatizei com a daqui),e...mais um quartinho atrás = espaço pra tranqueirada  tudo do tricô,artes com papéis,meu amado guarda roupa velho,etc.
Lugar pra morar,pra viver,não apenas acordar-ir-trabalhar-voltar-e-dormir como muitos que vi.Não é novo,é conservado -sou contra reformas,prefiro usar um antigo do que quebrar tudo e ficar pior;da época em que todos,pobres ou não,tínhamos casa e o que fazer dentro dela,lugar com energia fluindo,luz.
Acho que fecharei um negócio.Estou cansada de goteiras,cansada de quem não faz nada da vida e quer interferir na minha,cansada de não ter convivência porque não há com quem falar.
Mas,Eliana,aqui você está "folgada",exatamente!Isto vira acomodação,acaba com a energia,mata a chama.Vai apertar?Vai.Vai ser difícil no começo?Me digam o que é fácil?Mas você já tem um!!Não quero "mais"(ele está a venda - algum dia sai!anúncio nº 917071331,noImovelweb,sim agora é minha propaganda,rssss)),quero melhor,diferente.Gastar o que ganho mais focada - percebi que tenho "estoque" de coisas(tratamento de cabelo,maquiagem,sabonetes e quetais) que não precisarei comprar por muito tempo;e que por mais expurgos que dei em sapatos e roupas,tenho o sufuciente e mais.A maioria das pessoas vive sem nada disso.

Então,recomeço!Não me aguento de ansiedade,tenho que esperar todas as burocracias,fazer mais uma mudança,reorganizar coisas(olhei para o armário de cozinha do ap e pensei em forrar com tecido e impermeabilizar!),me reorganizar no espaço,mudar o local de trabalho(deuses existem,isso então,mais necessário que qualquer outra coisa) e ufa!Descanso?Nenhum,estas férias foram de matar(a trilha sonora continua antes que alguém pergunte),mas foram as penúltimas.Este ano,49,ano que vem(se as forças universais permitirem),50,peço aposentadoria e fase nova da vida,em outra casa,outro mundo.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Presenciando uma situação limite

Sempre falo  da minha situação de "alvo" da baixa mentalidade,nesta cidade perdida na periferia,não lembro se comentei como está piorando,não pra mim,mas pros meus vizinhos,que são obcecados por mim e não fazem mais nada da vida.Resolvi escrever pra minha  psiquiatra,relatar o caso e repito aqui quase tudo que acontece - só vendo/ouvindo pra crer:


"......Estou bem,acho que além da medicação,minha vida,apesar das restrições me ajuda.Mas o fato de morar só,ser independente e me bancar está desencadeando comportamentos estranhos nos outros.Explico:desde que voltei pra Ferraz as pessoas estranham o fato de morar sozinha,e mostram o choque me apontando na rua,me xingando,etc.a maioria deles é "pobre" de espírito,econômica e socialmente.Não é uma situação boa,mas fico na minha.
Acontece que vizinhos,da casa ao lado do predinho onde moro,passaram a exagerar na coisa,e ficaram muito mais afetados do que seria de imaginar.Há muito funciono como "TV" - ficam de onde moram "narrando" entre si o que faço(olha ela está...),sim,milhões de vezes e me xingando.
Em uma tarde,em dezembro,estava morta de cansada,tinha acabado  de chegar do trabalho e me debrucei na área de serviço que é aberta e respondi às ofensas - usando meu vocábulário articulado.Não saiu ninguém pra revidar,xingam de longe,não tem coragem de enfrentar.Desde aquele dia,repetem a mesma frase sem parar -dois deles,um adolescente que primeiro foi incentivado pela mãe a me ofender mudou até o tom de voz.Não sei se é só o machismo sem poder de ataque,mas parece que "quebrou a mola" deles - como brinquedos de corda que tem as ações interrompidas,repetidas - não sei explicar melhor.Foi direto,natal e ano novo inclusive - além de terem enlouquecido(ou serem atores fantásticos),enlouquecerão a vizinhança.Eu,tenho meus livros,meu tricô,a internet,as músicas,os filmes e sei lá mais quantas coisas pra me divertir - aqui dentro,sim,sair continua difícil
Como estão absolutamente descontrolados e esta situação esta piorando pensei em avisar a polícia:ninguém apareceu.Mas estou com dó e não sei o que fazer.Os outros vizinhos da redondeza não tem paz e tem que trabalhar,quem está de férias e passando até bem por tudo sou eu(tenho dormido com o remédio,mesmo com dor de cabeça).E a única profissional com quem tenho contato é a dra.Então,preferi relatar o que tem acontecido  para tentar fazer algo além de ficar assustada com o nível de baixa humanidade que existe à volta.Se a própria família não percebe o nível de doidera deles mesmoso que fazer?Tem algum "recolhe" doido ou coisa parecida?Brinco,mas é desesperador,
Obrigada,
Eliana
 
PS:
..........na rua transversal tem uma oficina,de onde usam sus máquinas para aumentar a potência da barulheira."




Tentei fazer um vídeo com minha câmera de fotos,mas lógico,se calaram(doidos,mas não burros) -  dá pra ter uma idéia do lugar e da situação.


Muito diferente de outras coisas  onde minha falta de pavio me faz explodir, estou calma.Quem "passou dos limites" foram eles.Sigo em frente.Fácil não é,mas quem diz que a vida é pra "facilidades"?

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Mulheres que não seguem os padrões

  Somos dificilmente engolidas,desde sempre.
  Independência,liberdade,questionamento de normas,ui.O "comum" grita!Outras mulheres temem.A "situação" social ataca.


Na Índia,um horror.Tratadas como coisas, indesejáveis por seus pais,posse dos maridos - como numa antiguidade remota.Permanência de mentalidade tribal.




                                            (algumas imagens  dos protestos contra os estupros em Nova Dhéli)

 Malala Yousafai,a garota afegã de 15 anos,baleada pelos talibãs porque luta pela educação das mulheres,num país que também permanece com sua ancestralidade da idade do bronze,em meio à guerra,tráfico de drogas e selvageria.
Em contraste,no Paquistão,mulheres ativistas homeanagearam a afegã!Sim,mantém traços de sua cultura,usam véu,mas lutam pela melhoria de sua condição.


           Aqui no Brasil existe a Lei Maria da Penha para punir a violência contra as mulheres.Mas a mentalidade,é  machista,violenta e selvagem.Quem sai da pobreza,escapa um pouco.As que temos formação e emprego.Das apenas  donas de casa,não tem como dizer o mesmo.Das que ainda lutam pela sobrevivência,certamente não tem o que se exigir em matéria de "liberação".
           E os padrões de "imagem"?!Coisisficam ou não?Oque dizer de uma pessoa que vive como "Miss Bumbum"?!?Das atuais"apresentadoras de lutas",mulheres "frutas" e afins?!?E por quê tanta divulgação,tanta projeção?!?Capas de revistas "femininas",o que dizer?"Beleza",aonde?




           Na "grande mídia",mostrando as personagens Isabel e Laura , novela Lado a Lado,- Camila Pitanga e Marjorie Estiano - a luta exatamente por independência,liberdade,profissão,num começo longinqüo de séc XX,não atualiza muito o debate.As restrições eram imensas,os ganhos,pioneiros.Será que a maioria tem noção do que se perde ao manter-se um objeto?
Gostaria muito de saber como pensam as pessoas que passam por aqui.

       


sábado, 5 de janeiro de 2013

Sobra muito e ao mesmo tempo,um terço da humanidade vive abaixo da linha da meséria

    Impossível não perceber.Procuramos "beleza",coisas boas...mas ,se não tomarmos cuidado e atitude,ficaremos debaixo dele - daí,não tem "cosmética" que funcione.


 Wall-E,um  "lixeiro" famoso - pra quem não conhece é uma animação que mostra o que pode acontecer com nosso mundo
 Aqui,Ferraz de Vasconcelos - SP,nos bairros não centrais o lixo tem ficado "esquecido" dias e dias.
 Xerém,estado do RJ,nem preciso explicar,está nas manchetes.
 Duque de Caxias,RJ,idem-ibdem.
 Uma "representação" do que acontece,no mundo inteiro com o que sobra do nosso consumo.


 Aqueleinsetoquenãodevesernomeado!!!!Sobrarão o lixo,elas e os andróides?!?!


Napóles ,Itália,quase "submersa" no lixo.

Eliana você é chata.SOU!Yo lo siento,pero,como é um problema mundial e ficou "marcante"nas trocas de administrações municipais aqui na Terra Papagali(licitações?!?!),não consigo ignorar.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Recette pour la nouvelle année - do Passion Provence



Começo o ano novo em francês,numa mensagem linda e que faço minha,para quem passar por aqui!


Recette pour la nouvelle année


Prendre les 12 mois complets,
Les nettoyer de tout ressentiment, haine et jalousie,
Pour les rendre aussi frais et propres que possible.
Couper chaque mois en 28, 30 ou 31 morceaux.
Puis tout doucement, incorporer dans chaque journée,  
Une pincée de patience, une de courage, une de confiance et une de travail.
Mélanger le tout avec de généreuses portions d'espoir, de fidélité, de générosité et de douceur, Assaisonner avec un soupçon de rêves, une pincée de rire et une pleine tasse de bonne humeur !
Verser maintenant la recette dans un grand bol d'amour,
Et pour terminer... Décorer avec un sourire... Servir avec tendresse...
Maintenant vous avez 365 jours pour la savourer avec Amour et délicatesse.
 
Meilleurs voeux pour 2013. Excellente année à tous !
 
 
 
http://www.passionprovence.org/archives/2013/01/01/26006379.html#utm_medium=email&utm_source=notification&utm_campaign=passionprovence