quinta-feira, 1 de dezembro de 2022

A casa no lago,Thomas Harding



Não me entendi bem com o Festa sob as bombas,esperava algo sobre a guerra e foi um perfil de personalidades inglesas da época,totalmente desconhecidas pra mim.Deu pra ler bem porque,Apesar de manuscritos esparsos,foram bem escritos.O problema de obras póstumas é ambíguo:uma obra a mais do autor,mas montada por outras mãos.Bem diferente dos volumes anteriores.
Agora vou para mais uma história da Alemanha, através da história de uma casa que passou por gerações, veremos. 

 

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

Festa sob as bombas,Elias Canetti



Terminei ainda há pouco,depois de devorar,o Um escritor na guerra.Vassili Grossman não decepciona,baita livro.Coloquei na estante junto com o Rubem Braga e suas crônicas de guerra.
Agora vou para o último dos livros biográficos do Canetti(em anos anteriores foram lidos os anteriores),que tem a parte também sobre a segunda guerra. 

 

quinta-feira, 24 de novembro de 2022

Um escritor na guerra,Vassili Grossman



Terminei ontem o Filhos de Nazistas.Terrível herança  ser filho de assassinos,genocidas,pior para os que se mantiveram fiéis à memória nefasta do nazismo,dando continuidade à mentalidade.Medo,por que estes pensamentos continuam por aí - vide os bolsominions e quetais.
Agora vou para a frente russa,ler Vassili Grossman mais uma vez.O Vida e Destino  foi meu livro preferido do ano quando eu o li,livraço,e tenho altas expectativas para estas reportagens de guerra.O bicho pegou na frente russa e ele participou um loco,veremos. 

 

segunda-feira, 21 de novembro de 2022

Filhos de nazistas,Tania Crasnianski




O livro do Rodrigo Trespach é polêmico,mostra o "outro lado" dos aliados e chacoalha um pouco as visões costumeiras sobre a guerra e os personagens principais(ele se pega pra valer contra o Churchill ).
Agora,vou para um bem polêmico também, sobre os filhos sobreviventes dos nazistas.Veremos.

 

sábado, 19 de novembro de 2022

Histórias não (ou mal) contadas -segunda guerra mundial 1939-1945 ,Rodrigo Trespach



O Era um garoto foi 10!Como é bom ler algo bem feito,com vontade.E o autor é jornalista,mas se deu melhor que muito historiador.
Agora vou ler um historiador que publica como jornalista,em revistas de divulgação de história. Já li e assinei a maioria que é publicada aqui,há anos não peguei mais nenhuma,quero ver se o texto deste livro será melhor do que o que via naquelas revistas(muitas vezes coisas mais "curiosas" que comprovadas),veremos. 

 

quinta-feira, 17 de novembro de 2022

Era um garoto - o soldado brasileiro de Hitler -Tarcísio Badaró


O Soldados brasileiros de Hitler foi bem decepcionante:baseado em alguns relatos de sobreviventes de origem alemã quis dar um passo maior que a perna e não teve fôlego para tanto.Os depoimentos são praticamente iguais(entrevistas mal conduzidas?) e as elucubrações do autor ficam perdidas ,sem desenvolvimento num livro muito pequeno(em número de páginas e conteúdo),com uma bibliografia no mínimo pífia.
Agora vou pegar outro sobre o mesmo tema,mas onde o autor se fixou apenas numa pessoa e procurou recriar sua história. Ao menos como proposta já parece melhor que o anterior,veremos. 

 

quarta-feira, 16 de novembro de 2022

Os soldados brasileiros de Hitler, Dennison de Oliveira



O Salvando a Monalisa foi ótimo,as várias batalhas e lutas para salvar o acervo do Louvre durante a segunda guerra mundial, leiam.
Agora será sobre brasileiros lutando pela Alemanha,veremos.

 

domingo, 13 de novembro de 2022

Salvando a Monalisa,Gerri Chanel



Terminei o Mitos da Segunda Guerra achando muitos  assuntos interessantes, polêmicos por causa dos neonazistas e revisionistas e muito acertivos ao contrapor estudos sérios a opiniões.São vários artigos curtos,desiguais na qualidade da escrita mas unidos por usarem fontes comprovando seus argumentos.
Agora vou pra uma leitura mais "leve",apesar de ser também  sobre a guerra: como salvaram o acervo do Louvre.Isso muito me interessa.

 

sexta-feira, 11 de novembro de 2022

Os mitos da segunda guerra mundial, vários autores franceses




O Quando os livros foram à guerra foi super!Apesar de ter sido uma experiência americana vale muito a pena conhecer,recomendadíssimo.
Agora vou para Os mitos da segunda guerra mundial,coletânea de autores franceses,veremos.

 

quarta-feira, 9 de novembro de 2022

Quando os livros foram à guerra,Molly Manning



Terminadas as histórias com os pracinhas brasileiros(Rubem Braga foi o rei da crônica),Agora vou desvendar como foram criados os livros de bolso,para que os combatentes pudessem ler.Coisa boa surgida da guerra,veremos.