sábado, 29 de novembro de 2014

Do Blog Seja belissima!: Infográfico: A História dos Cosméticos por Shinsei...

OK,historicamente qualquer resumo deixa a desejar e alguns preconceitos sempre aparecem quando se trata de Idade Média,mas...achei divertidíssimo este "caminho" dos cosméticos pela história,por mais sintético que seja,dá uma olhadinha:


Shinsei Cosméticos



É o release feito por uma marca que não conheço,mas...é sempre legal perceber que o que temos agora é reflexo de uma construção/transformação de hábitos,costumes e mesmo algumas tradições.

Quem gosta do assunto pode achar mais detalhes em alguns livros(lembrei ao ver o resumo);
.O limpo e o Sujo,Georges Vigarello
.Saberes e odores,Alain Corbin(não foi mais editado no Brasil,tenho em francês, Le miasme et la junquille,seu título original)
.História da Vida Privada (Geroges Duby e outros),tem vários artigos tratando de assuntos assemelhados


Sim,tem história em tudo e eu gosto de tudo que tem história!

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

e ainda tem ansiedade por aqui....



                                     



De uma maneira geral até que estou indo bem,sem terapia - que estava me deixando mais atacada do que  sem,me cobrando coisas além da minha realidade,além do que necessito- mas ainda não estou exatamente livre da danada da ansiedade.Terapia ajuda quando você não vê ou não sabe seus problemas/defeitos/encucações e eu sempre tive os meus claros.E quando se chega na idade em que estou,bem,você sabe quem você é,do que gosta,não gosta e do que não vai mudar,faz parte de mim e não tem como "largar" assim,por vontade alheia.


 
 Enquanto no trabalho,além da cerca do horário,os conflitos por tudo menos pelo que me importava lá,dar aulas.Depois,fora da sala de aula,"enxergando" tudo  que não devia,assim grande,exagerado,fora da minha alçada.Agora que estou fora disso,ufa!Alívio.então,por quê ansiedade?Porque o corpo/cérebro não  se livrou dos mecanismos em que ela prende  o comportamento.É fácil perceber quando aparece,no eu me "travar" e não conseguir fazer alguma coisa exatamente por me cobrar fazê-la - sair mais de casa ,por exemplo,sendo que eu não sou uma pessoa que goste de sair - sendo que não existe real precisão nem da atividade,nem da cobrança.eu não posso podar minha liberdade,quem faz isso é exatamente a porcaria da ansiedade,criando problemas onde não há.




Ou criando necessidades/vontades(já postei um texto sobre).Por quê comprar o enésimo pote de tratamento pro cabelo?Ainda vai demorar pra acabar o que tenho,mas vem um furacão e  em um milésimo,plim,já estou com a encomenda feita.Não tenho a paleta "x" de maquiagem,mas tenho montes de outras,então eu não "preciso",mas....se eu não experimentar parece que ficarei com um "buraco",uma insatisfação.É um "estado controlado",fica na margem do "problema concreto",não me afundo em dívida ,nada disto,mas fico com coisas demais para administrar e isto sim me atrapalha - não há mania de arrumação que agüente achar espaço onde já está tudo cheio,e olha que faço expurgos em tudo,não deixo coisas sem uso atravancando;e quando me percebo pela milésima vez arrumando o que já está arrumado,hum....tô querendo "arrumar" exatamente  o quê?!?!?!






E vou indo,assim,um dia de cada vez e percebendo o que está "sobrando",que ainda não se encaixou e não está funcionando como deveria.Ao menos agora,com calma,sem ter 'atropelamentos" de fora.O que sei que preciso sossegar é interno e é minha missão comigo mesma pra ficar melhor pro mundo.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Do Blog Hoje vou assim off:{Pensamento do dia} Sobre seu estilo e a aprovação do outro

Quantas vezes você não se sentiu bem porque percebeu que alguém te olhava atravessado?
No trabalho,por não estar "como as colegas",já escutou piadinhas?
E em casa se você tem uma mãe como a minha que acha qualquer produçãozinha ,um batonzinho," é se vestir de madame" (altamente negativo pelo olhar dela)?
É,é duro assumir um estilo,a falta de um ou o que mais te deixa à vontade - sempre vai ter algum "elemento" de fora que vai tentar interferir e o legal é passar além dele e ser a gente mesmo.

Conheci o blog da Ana Soares porque a Cláudia Montelage do Eu sou Crespa(santa blogosfera Batman!) falou do quanto ela faz possível a  diversão ao se vestir e de como podemos melhorar nosso jeito deixando nossos gostos passarem por cima da opinião alheia,O link abaixo mostra o post em que ela se coloca sobre isto e eu destaco um trechinho para quem se interessar:


{Pensamento do dia} Sobre seu estilo e a aprovação do outro


"......
Gosto de pensar na minha evolução pessoal, mais do que na do meu estilo. Gosto de saber que dou bem menos importância a qualquer energia que atravanque meu caminho. Não os percebo, sinceramente. Não sou de notar o que não acrescenta. Não sou eu quem vai retrair o sorriso e perder no embate com a reprovação.
Que sejamos mais generosas sobre nós mesmas. Que tenhamos a leveza de quem voa nas experimentações e não se aprisiona numa moda que vendem diariamente como a correta, a que tem que ser. Estilo é libertação. É a vontade de transbordar a alma em paetês, laise, grafismos, saias rodadas, cores, muitas delas.
O seu próprio sorriso em frente ao espelho é inferior? Não somos completas sem o aval diário de quem não percebe nosso estado de espírito?
Não esperem a certeza do outro. Não supliquem por essa aprovação. A necessidade pelo dedão pra cima nos torna reféns da dúvida, poda a alegria de brincar, desmerece a realização de se perceber.
Hoje sou a avoada das mais felizes transitando pela cidade. Não será a desfaçatez de um olhar oblíquo e desconhecido que me fará bambolear sobre o salto e impedir de usar o que eu quiser nessa encarnação. Minha vida é só essa e eu vim para colorir."

domingo, 23 de novembro de 2014

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

*2m,1t*.......falsa malha inglesa

Quer tricotar e está como eu, só na preguiça?Este ponto sem avesso é um dos mais fáceis,é só ir tecendo,sem se preocupar com contagens ou mudança de pontos.





Estou fazendo com pontos de borda porque fica melhor acabado e acho que depois,vou emendar as tiras que já fiz,ficaram meio "duras" para cachecol,vão virar manta,quem sabe? Usei os fios de novelos que estavam abertos:Flash,Elegance e D'Primeira,e ag. 6.Vamos ver no que dá.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

E um livro puxa o outro....

...pra quem gosta de ler é sempre assim,não tem jeito!

Terminada a biografia,começa o folhetim sobre a época,com o mestre dos mestres e inventor do gênero,Alexandre Dumas.père:

















Milhares e milhares de páginas me aguardam,mas pra quem já passou por toda a seqüência dos mosqueteiros(Les trois Mousquetaires,Vingt Ans Après et le Vicomte de Bragellonne) e antes ainda os volumes sobre o séc. XVI(La reine Margot,la dame de Monsoreau,Les Quarante Cinq),é tudo de bom!E a edição que tenho é a da Bouquins,Les grands romans(que estava quietinha na estante,esperando o "momento certo") feita pela Claude Schopp e naquele capricho que as edições francesas tem,com biografia,bibliografia,dicionários de lugares e personagens e mais muita coisa.Uma infinidade informações  antes da história em si começar e muita coisa depois,um regalo pra quem é rato de livro.E nada a ver com as adaptações juvenis que temos traduzidas aqui na terrinha.

Só de saber o cuidado para estabelecer o texto depois de mil modificações(a quantidade de edições diferentes feitas ainda em vida do escritor e tudo o que foi publicado depois desencorajaria qualquer especialista!),as indicações de onde foram feitas traz mais curiosidade sobre a obra.

E mais ainda,sabendo que o Dumas mergulhado em seu tempo,chama o passado para "mostrar",evidenciar as transformações,usa os historiadores para dar peso,não tem como ficar indiferente.

Tudo bem,pode ser "datado",mas não envelheceu.Nós aqui em meio ao "petrolão do PT" vendo a corrupção transbordar e mostrar as entranhas do poder entendemos mais ainda quando eventos semelhantes são mostrados,mesmo que numa época distante.

E depois de séries e séries de romances históricos dá pra perceber o quanto os escritores atuais beberam na fonte e usaram  o Dumas  como base de suas histórias.bem naquela de nada se perde,tudo se transforma!Obra riquíssima,difícil de conhecer inteira,mas uma maravilha.Entretenimento do bom!



sábado, 8 de novembro de 2014

Maria Antonieta ,retrato de uma mulher comum

Este foi o título que Stefan Zweig deu à sua biografia da rainha da França,a última do Antigo Regime;escrita em 1932 ,ou seja,no século passado,por um homem daquela cultura imensa que quase não existem mais,no período entre guerras ,numa Europa bastante tumultuada.




Já começa interessante pela capa desta edição da Zahar,novinha em folha,com prefácio e pósfácio de Alberto Dines  um dos grandes jornalistas/escritores que temos ainda na ativa.Não há um rosto,uma figura,só o detalhe do colo,um cacho do cabelo enfeitado,mais nada.Convida a pensar "quem é/foi".
Por que uma rainha seria caracterizada como "mulher comum"?Esta figura,uma menina alegre,cativante,casada aos 14 anos,rainha aos 19,teve desde o nascimento uma alta condição,não precisando se preocupar com outra coisa a não ser ela mesma e foi esse seu "jeito" que a colocou como alvo de intrigas,numa corte decadente,num momento em que as forças sociais mudavam radicalmente .Linda,muito jovem e sem preocupações o que faria a não ser viver  e intensamente sua juventude?Talvez "reinar",mas este não era um papel destinado à ela.Ser mãe e gerar os herdeiros do trono?Demorou e muito.Seu casamento só foi consumado 7 anos depois  da cerimônias,seu marido,ah coitada,um bonachão,tímido e atrapalhado que até pra isso teve dificuldade,filho caçula que sobrou herdeiro da coroa depois que seus irmãos e pais foram levados pela varíola.
Diz no começo que ,não fossem os tempos,teriam vivido muito bem,sua vida "normal" de realeza.Mas no ,meio do turbilhão que foi o último terço do sèc XVIII,não estavam nem um pouco preparados para  o que aconteceria.


Atropelados pela Revolução,presos,aviltados,as grandes diferenças começam a aparecer.Ele,Louis XVI mantem-se o mesmo, e ela cresce,atinge o ápice no fim.Uma tola-trágica no dizer do Dines ,uma mulher reconhecendo seus erros e tomando a dianteira de sua vida,mesmo quando esta está previamente condenada.

É uma leitura inteira,não melodramática,um texto historiado,não factual.Elogiado por ninguém menos que Sigmund Freud,entre outros(o posfácio fala da composição do livro e sua recepção,mais um atrativo para o livro).502 páginas,mas uma leitura fluída,aplausos para a tradução.

E por quê Marie Antoinette neste séc XXI??Ela foi uma  das ou senão a primeira figura pública a sofrer de um massacre midiático intenso durante anos -coisa comum atualmente,tornando-se mais uma caricatura,sem humanidade,que Zweig consegue resgatar,escapando das falsa fontes e se aprofundando no que captou da   pessoa.


E quem quiser saber um pouco do autor,que acho uma outra figura trágica(fugiu dos nazistas e acabou se suicidando aqui no Brasil em 1942),tem um filme do Silvio Back,Lost Zweig,que eu também recomendo,apesar de toda a melancolia que carrega.





E por falar em filme,eu perdi Maria Antonieta da Sofia Coppolla,mas tenho o de 1938 que foi baseado nesta biografia(soube disso agora) e que tem o Tyrone Power(lindo!)fazendo o Axel Fersen , o Homem de verdade na vida da rainha.
Sim,eu adoro ligações com o tempo,sua amplitude ,este vai e vem que nunca termina  e tudo que possa mostrar  momentos significativos e suas representações!




PS;minha leitura anterior tinha sido La pyramide de glâce do Jean François Parot,roman historique mostrando exatamente um  desses complôs envolvendo a imagem da Marie Antoinette,tenebroso em mostrar as "forças ocultas" que agiam dentro da própria nobreza e que a enfraqueceram,antes de qualquer mudança exterior.É o 12° da série do Nicholas Le Floch e pra quem lê em francês eu também recomendo,são bárbaros.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

quando todos os dias são leves....

...como sábados,fins de semana,feriados.






Não tem mais correria,tudo o que precisa ser feito não é  mais para ontem e até tomar chá de cadeira na burocracia (RH da prefeitura;banco,etc) não é mais tão chato - não há obrigações com horários nem antes,nem depois.Putz o ônibus acabou de passar!E daí,depois vem outro.Hum,que cabelo é este?!?É o meu,deixa assim."Não querida,obrigada,não tenho interesse",gentil assim com a moça do telemarketing - quem eu?!?Pois é!

Dormir muito até que enfim(meu relógio biológico sempre precisou de muito sono e durante muito tempo foi só o que não tive!),fazer o que dá,aos poucos e segundo a disposição,e se não der,deixa pra lá.Descanso de gente,de pressão,de qualquer coisa imposta.Não tem preço!!!!O agora é meu.

Sei que tem gente que consegue estar assim leve,sempre.Eu,experimento a experiência agora e estou adorando.

Vão me dizer que é preciso "fazer","acontecer","se relacionar",ok,já fiz isto bastante,não preciso mais,não de forma obrigatória.Tudo está e é de outra dimensão.

É a calmaria dentro do movimento da vida.Assim a ansiedade vai sumindo e talvez esteja a caminho de me livrar dela e dos outros  transtornos!

domingo, 2 de novembro de 2014

produto fail:pincel F16 Maria Margarida






Fico fula da vida  quando compro algo que tem vida útil muito curta e neste caso a imagem diz tudo!Poucos meses de uso e ploft!Soltou o cabo,assim,sem mais nem aquela.
Este F16 é um dupe do F80 da Sigma,só que mais arredondadinho e diferente do outro que apesar dos usos e das lavagens continua intacto,este aqui não valeu o investimento.Já colei com Tenaz,mas perdi a confiança no produto,recauchutado assim tão novinho.
Aproveitei  pra analisar   os outros que tenho da mesma marca  e que também levantam dúvidas sobre a fabricação:dois 010 com comprimentos diferentes apesar do mesmo número e mais um 016 e um 013 e nenhum tem as ferragens no mesmo dourado que os outros e o logotipo da marca também aparece diferente em cada um,ou seja,ou já são piratas de uma marca relativamente nova ou já saem desiguais da produção!!!!!
Não compro mais!