sábado, 28 de julho de 2012

Meanwhile....

(enquanto isso.....rsssssss)


Passei pelo séc VI,num relato feito por um.....hermafrodita,sim.Gary Jennings(aquele das viagens do Marco Polo) nos consegue fazer acreditar nele(a);e aproveitei pra "conhecer" a geografia da época - nunca "vista" tão facilmente.

Voltei pro séc XVIIII: Stevenson.Continuo preferindo  A Ilha do tesouro e o Dr Jekill&Mr Hyde(será por causa dos filmes?!).Este aqui tem prefácio e posfácio de um daqueles estudiosos franceses e suas edições maravilhosas,mesmo para livros de bolso.O enredo,bem...um porre.Realismo irrealista segundo o crítico.Literatuta,porém...



Daí,voltei pros meus franceses queridos(jé comentei lá atrás,em algum lugar aqui no blog),que além de escrever muito bem tornam a história viva.Da série do Guilhem d'Ussell reli os primeiros esperando pelo 4ºmaravilha!
 Conheci mais um,muito bom.Já li o primeiro,o outro chegou esta semana.Edição belga,alguma diferençazinha no francês,dá pra perceber.

Este aqui terminei ontem- sexto da saga dos saxões no que vai ser a Inglaterra.Bernard Cornwell leio sempre nas edições nacionais,ótimas.O ritmo das narrativas é muito bom.Já passei pela saga do Arthur,a do Graal(esta achei mais fraca);o Stonehenge dele é fantástico;e um sobre Azincourt.


E,mulher você não tricota mais?!?!Sim,fiz uma montanha de quadradinhos que vou mandar pras Tricoteiras Solidárias - fazê-los me distrai,montar as mantas,não.E estou com umas vontades,não sei se projetos que se realizarão,mas já separei as receitas e os fios.E estas fotos tem como fundo uma das primeiras mantas que fiz,inteiriça,com agulha grande e circular.Ficou estreita e comprida.Esquenta que é uma beleza e é uma delícia sentí-la sobre o lençol.
Bjs a quem passar por aqui!

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O caminho de cada um...(e um pouco de sabedoria)

....é único,não tem como explicar.O que é muito ruim ou pesado pra mim,pode não significar nada pra outras pessoas.O contrário também.Os problemas existenciais aparecem porque a sobrevivência está garantida - o dr. Dráuzio Varella fala isso,e em relação aos excessos,também.Enquanto a humanidade viveu coagida por violência física e fome,muito pouco da energia sobrava pra pensar em si mesmo,indivíduo.O conceito de liberdade é "novo" - até o séc XX ainda existiram servos;e diversas formas de submissão.Depois da Segunda Guerra ,meros 67 anos se passaram e tirando episódios restritos,nenhuma catátrofe atingiu " o mundo todo".E cada um de nós vai vivendo dentro de suas circunstâncias,como pode,como consegue,rodeado por cadeias e cadeias de acontecimentos,vidas,energias e embolado nisso tudo,mesmo que não perceba ou seja "atingido".Todas as religiões,de uma maneira ou de outra,dizem que"nada acontece que já não esteja previsto".....minha avó dizia que a gente passa pelo que tem que passar.Tudo isso pra resumir que nada é sem sentido,é dar tempo e aguentar.Mas,haja........
                                          (a imagem é do blog de uma artista,Julia Crossland)


E como hoje é Dia do Amigo(mesmo eu não gostando nada de datas marcadas),querendo deixar um presente a todos - em especial praTati e Salete,que sempre seguram minhas pontas,queridas! -peguei um pouco de filosofia  do blog da Nina Dias,que é um amor de pessoa e deixo pra quem passar por aqui,junto com muitos beijos!


Só temos consciência do belo,

Quando conhecemos o feio.

Só temos consciência do bom,

Quando conhecemos o mau.

Porquanto, o Ser e o Existir,

Se engendram mutuamente.

O fácil e o difícil se completam.

O grande e o pequeno são complementares.



O alto e o baixo formam um todo.

O som e o silêncio formam a harmonia.

O passado e o futuro geram o tempo.



Eis porque o sábio age,

Pelo não-agir.

E ensina sem falar.

Aceita tudo que lhe acontece.

Produz tudo e não fica com nada.



O sábio tudo realiza - e nada considera seu.

Tudo faz - e não se apega à sua obra.

Não se prende aos frutos da sua atividade.



Termina a sua obra,

E está sempre no princípio.

E por isso a sua obra prospera.



Lao Tsé


quarta-feira, 11 de julho de 2012

O silêncio te incomoda?





A mim,não.Talvez por stress da escola,não suporto mais “ruídos”,as aspas são pra marcar que a coisa é ampla.Não apenas barulho - maldito seja o inventor da máquina de cortar pisos! - alguns tipos de vozes,palavras,comportamentos e um etc gigantesco.Mas quando se está quieta em meio a isso, "atrapalha"  quem está por  perto .É uma necessidade tão grande de falar,comentar,mostrar, que o silêncio parece afrontar,provocar.E isso vindo de uma pessoa como eu,que sempre teve a língua maior que a boca pode surpreender.Mas sempre tive opiniões,livres.Nunca tive e nem tenho medo de discordar,de não ser politicamente correta.Estar fora da manada é  arriscado,quem se sente ameaçado,ataca e minhas “colegas”(outras aspas ,estas com significado e conteúdo impublicáveis) são,pra não ser muito impiedosa, de uma pobreza de espírito e de uma falta de conteúdo que mata.Sim,os que “sobram” , na área de educação ,no pior sentido, somos nós,os  “pensantes”,desculpem a pretensão.E não ter mais condições de dar aula enquanto vejo no que a escola está se transformando me corrói,me acaba.Minha vida era dar aula!As brigas,todo o esforço ,a luta pra manter um nível bom,pra quê?!?Pra concluir que,de minha parte,consciência tranquila,fiz o melhor enquanto deu.E agora?!?Eis o busílis da questão:não tenho mais nada com “aquilo”.A escola pela qual lutei virou um lugar de recreação e de assistencialismo;letramento e não ambiente alfabetizador(quem é do ramo entende o abismo entre uma coisa e outra).Nada significante,nada instigador.Então,parei.Mesmo!Farei o possível pra me manter o mais distante  que puder.Sob tratamento médico e com o organismo/metabolismo pelas tabelas,é a solução.

        E fazer o quê comigo?!?Com o estudo,a preparação.Onde me colocar nesta altura do campeonato?Onde encontrar energia?Não tenho mais,pra nada.

     Por isso meu silêncio?!?Nos relatos das batalhas antigas dizem que antes do corpo a corpo era de  assustar  a “calmaria”....  até o primeiro grito de guerra...seguido pelo estrondo do encontro entre as tropas e a hecatombe.Então será assim?Muita luta ainda pela frente.Como?!Onde?!?Isso está me paralisando,porque não sei qual sentido seguir.Qual é a direção?!?
Desculpem o "peso",sou assim,e meu momento não tenho como esconder.Bjs a quem passar por aqui!

PS:a imagem é de Júpiter.Dizem que no espaço o silêncio é absoluto,que o som não se propaga no vácuo.Percebemos luzes e acontecimentos de bilhões de anos atrás,o universo não para de se expandir e enquanto isso,por aqui.........